top of page

O Estado Zanshin do Guerreiro

O Estado de Zanshin e a Mente do Guerreiro


Zanshin é um estado de vigilância e de alerta, que devemos manter antes, durante e depois de um confronto, para que estejamos prontos a entrar em combate se o nosso adversário se levantar ou se outro se envolver em combate.


É errado pensar que o zanshin é feito logo após a "eliminação" do adversário. Veremos, mais tarde, a origem deste erro. Zanshin é um estado de vigilância prolongada antes do início do confronto e até ao momento em que tudo termina. Quando interrompemos este prolongamento, o guerreiro torna-se vulnerável a qualquer acção imprevista.


A minha experiência como segurança numa discoteca


Onde aprendi realmente o valor do zanshin foi durante os 5 anos em que trabalhei como segurança num clube nocturno. Quando tive de intervir numa situação de conflito (ou luta) no clube ou quando tive de tirar um cliente do clube, tive de estar muito atento ao que me rodeava, pois potenciais amigos do cliente podiam estar presentes e tentar dificultar o meu trabalho. Desde o momento em que fui avisado de um problema, eu desencadearia o meu estado de zanshin até que a situação terminasse completamente.




Zanshin é um estado em que a nossa atenção é de 360 graus


O estado do zanshin é um conceito importante que ensino nas minhas aulas de karaté, autodefesa física e autodefesa psico-verbal.


Quando estamos em zanshin todos os nossos sentidos estão acordados, vemos, ouvimos, sentimos e cheiramos tudo o que está a acontecer à nossa volta. Estamos conscientes do nosso ambiente e de todos os obstáculos que nos podem rodear. Continuamos concentrados no nosso objectivo de eliminar qualquer ameaça que nos possa prejudicar a nós ou aos nossos entes queridos.


Nas últimas gerações, devido à tecnologia de ecrã, perdemos esta capacidade de nos mantermos focados durante longos períodos de tempo. Alguns autores sugerem mesmo que a nossa capacidade de atenção é igual à de um peixe-dourado. Mas isso é um tópico para outro artigo.


Vamos ao cinema para ver alguns super-heróis!



Muitas pessoas pensam que o zanshin só é feito depois de se atingir o adversário. Como se estivessem a projectar a sua intenção como uma bola de energia cheia de chi no seu adversário para acabar com eles.


A sério, penso que uma das razões para esta confusão é que alguns instrutores de karaté desportivo (que nunca estiveram em situações perigosas numa base regular) ensinam este conceito em desportos competitivos, especialmente aqueles baseados no sistema de ponto semi-contato. Os concorrentes são ensinados que quando atingem um adversário, devem gritar (kiai) e depois parar e demonstrar que o seu golpe poderia ter sido fatal. Mas alguns simulam um elevado grau de concentração fazendo expressões faciais exageradas, gritando como um idiota e acenando com o braço ao adversário para mostrar aos juízes e árbitros que marcaram um ponto.


É por isso que por vezes ocorrem situações ridículas em competições. Por exemplo, em competições desportivas de pontos, quando alguém marca um ponto

e começa a fazer o seu acto teatral Bruce Lee, o outro lutador apressa-se frequentemente a bater no outro numa imitação de um esquizofrénico no meio de um ataque epiléptico, esperando que os juízes não tenham visto o golpe do outro.






O engraçado é que estes lutadores não estão conscientes de que a contracção muscular interrompe o fluxo de energia e assim quebra o verdadeiro estado de zanshin. Para estar em zanshin, a primeira condição é que o corpo esteja relaxado e a mente alerta. Estar pronto para explodir rapidamente. É por isso que zanshin e mushin rimam mais com "cara de póquer" do que com um corpo tenso, contraído e com um aspecto médio como o Incrível Hulk.


Nas competições de karaté Kyokushin Knockdown, acontece por vezes que um lutador aplica uma técnica por acaso que desequilibra o seu adversário e quando se apercebe que a outra pessoa caiu, simula um murro e de repente move-se para uma posição zanshin como a imagem acima. O objectivo desta manobra é o de demonstrar aos juízes que a sua técnica é de facto intencional. No entanto, raramente engana os juízes.


Como praticar para chegar ao estado de zanshin


A respiração controlada aumenta a nossa concentração


Numa situação stressante, a nossa respiração é propensa a ficar seca ou bloqueada. Isto causa uma perda de controlo, um estado de pânico e leva a maus julgamentos. É por isso que são necessários exercícios respiratórios para manter um bom estado zanshin. Precisamos de prolongar a nossa inalação e exalação. Isto terá o efeito de baixar o nosso ritmo cardíaco. Como ensina o Modelo Guerreiro no capítulo sobre a respiração.


Visão periférica e audição


Quando nos encontramos numa situação de vida ou morte e o nosso ritmo cardíaco excede os 150 batimentos por minuto, entramos em visão de túnel que nos impede de perceber o perigo à nossa volta e atrás de nós. No estado de zanshin, ao diminuir a taxa de respiração, será mais fácil para nós analisar visualmente e auralmente o que está a acontecer a 180 graus. E se soubermos mexer com as pernas, enquanto movemos a cabeça, podemos assegurar que cobrimos os outros 180 graus que faltam. Isto é o que os soldados aprendem a fazer numa situação de combate em que o inimigo pode estar em qualquer lugar.


De acordo com um estudo da Progressive Insurance Company de 2004, 52% de todos os acidentes de trânsito ocorrem num raio de 5 milhas de casa*. Acontecem perto de casa porque as pessoas normalmente "baixam a guarda" depois de saírem de ruas ou auto-estradas movimentadas.


Praticar a activação do estado zanshin todos os dias


Comece por reconhecer as situações que exigem que esteja num estado de alerta e de consciência. Por exemplo, conduzir um carro, motocicleta ou bicicleta, atravessar uma rua movimentada, ter uma luta de contacto total, caminhar por um parque às três horas da manhã, operar uma serra eléctrica ou qualquer outro instrumento que necessite de alta prontidão. Depois calibre, observe, ouça e sinta o estado de alerta de que necessita para evitar qualquer incidente ou acidente.

Habitue-se a praticar este estado de zanshin quando estiver a andar na rua e em qualquer altura em que o seu estado de alerta seja essencial para a sua sobrevivência.


Desencadear o estado zanshin com âncoras


Quando treinei os meus alunos no sparring, ensinei-os a usar uma âncora verbal dizendo a palavra zanshin! a si próprios e apertando os dois punhos enquanto pisavam o tatami (tapete) da área do sparring. Explicamos este conceito em grande detalhe numa secção do livro O Chamado do Guerreiro (The Warrior's Call (O Modelo Guerreiro). Sempre que os seus oponentes caíam no chão, ele tinha de assumir uma posição semelhante à imagem acima, olhando para os seus oponentes para detectar se tinha a capacidade de continuar (e também para indicar aos juízes que eles tinham marcado um ponto). Mas, ele teve de ficar na cara do póquer e não imitar um gorila a bater no peito e a saltar como se tivesse acabado de encontrar uma banana.


Estar zanshin no dojo durante as lutas de contacto


Pratique este princípio no seu dojo ao trabalhar com um parceiro. Ao praticar exercícios de luta ou autodefesa, mantenha a sua mente completamente acordada e concentrada enquanto dá o golpe final.


Quando estiveres a lutar e conseguires varrer ou atirar o teu adversário ao chão, bate-lhe (com controlo do teu golpe) e depois dá um pequeno passo atrás para sair do seu alcance, mantendo os olhos nele. Mesmo quando a luta ou o exercício termina, mantenha sempre a sua concentração, até o seu instrutor ou o árbitro lhe dizer para relaxar.


EXERCÍCIO. Aqui está um exemplo onde se pode praticar o estado de zanshin simplesmente atravessando a rua. Antes de atravessar uma rua movimentada, grite mentalmente zanshin e depois atravesse a rua enquanto está alerta para olhar para tudo o que se move à distância e perto de si (use a visão periférica), ouvir os sons de 360 graus à sua volta (audição periférica) e sentir todos os sinais do seu hara (a barriga, o assento do haragei ou a sensação cinestésica visceral, a que também chamo o centro somático).



Ao fazer isto, está a aplicar o modelo S. C.O.R.E. C.T. (acrónimo francês em autodefesa psicopedagógica). Ou seja, antes de atravessar a rua, pára e coloca-se num estado de vigilância Zanshin. Calibra o seu ambiente observando se o sinal luminoso é verde (o estímulo), se a via está livre e se não há veículos que possam atingi-lo. Sente (Ressentir em francês) o sinal cinestésico de que não há perigo imediato, ouve (Écouter em francês) para a travagem dos carros e o sinal electrónico da luz que lhe diz que pode atravessar.

Comporta o seu Comportamento (Comportement em francês) que é atravessar a rua (a resposta), transmitindo ao seu sistema nervoso a intenção de atravessar a rua. Mantém o seu nível de alerta até atravessar para o lado oposto da rua, baixando depois o seu nível de alerta assim que chegar à calçada.


Gaëtan Sauvé

9 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page