top of page

O karaté é um desporto, uma arte marcial ou um método de aprendizagem para se defender?


Mas não serão os três, pode perguntar? Teoricamente, poder-se-ia responder sim. Na realidade, depende do estilo que pratica e do seu professor. Há formas de karaté que se concentram rapidamente no aspecto desportivo, outras são orientadas para a autodefesa (como os estilos originais Okinawan) e algumas são mais orientadas para o desenvolvimento do carácter e uma forma de dar sentido à própria vida.


Alguns professores (incluindo o autor) incluirão técnicas de autodefesa em todas as aulas e outros ensinar-lhes-ão em aulas especiais. Voltaremos a este último tópico num outro blogue. Neste artigo discutiremos os dois primeiros aspectos: desporto de combate ou caminho marcial (budo). Faremos também uma distinção entre uma arte marcial clássica e uma forma marcial (do).


Porque foi o pai do karaté contra a concorrência?


Parece que Gichin Funakoshi, o pai do Shotokan que deu o nome ao Karate, discordou do seu filho Gigo que queria dar um aspecto desportivo ao Karate, semelhante ao Judo e ao Kendo. Para Funakoshi-pai, o karaté era uma forma marcial de desenvolver todos os aspectos do guerreiro e de praticar auto-defesa, o que para ele nada tinha a ver com desporto. A sua prática consistia unicamente em kata e bunkai (aplicação de técnicas de kata com um parceiro). Para o filho, o karaté era uma arte de luta que se podia transformar num desporto como o judo e o kendo, que ele tinha praticado extensivamente na universidade. Até à morte de Gigo, os dois discordaram continuamente sobre a direcção do karaté.


Para os desportistas, o karaté é uma disciplina magnífica que lhes permite estar fisicamente em forma. Para os puristas, o karate-do é um budo, ou seja, uma forma marcial que implica que o praticante desenvolve qualidades e valores relacionados com o guerreiro que diferem das qualidades de um desportista.


As pessoas que praticam um estilo desportivo de karaté ficariam sinceramente surpreendidas se eu lhes dissesse que o que estão a fazer não é uma arte marcial, do ponto de vista do caminho do guerreiro.


Qual é a diferença entre karatê desportivo e karatê budo?


Deixem-me explicar o meu ponto de vista. As aplicações desportivas de um sistema de luta, tais como o judo, karate-do e taekwondo, não são artes marciais no sentido estrito da palavra. Colocar uma arte de combate numa arena desportiva limita as suas técnicas e aplicações reais.


Os atletas modernos são treinados para manobrar dentro de um conjunto de regras para lhes dar todas as oportunidades de ganhar. Gradualmente, estes atletas são neurologicamente programados para reagir de formas muito específicas dentro de um quadro contextualizado por regras estritas.


Muitas vezes, certas técnicas que são eficazes neste contexto competitivo são totalmente inoperantes em combate real onde não há regras.


O que é letal em combate real e se torna cada vez menos praticado num estilo de karaté desportivo, desaparecerá gradualmente do treino. É então que a noção de budo se afasta cada vez mais deste aspecto desportivo. Foi isto que aconteceu, por exemplo, com o judo. O judo teve origem na arte marcial do jiu-jitsu. Jigoro Kano, o criador do Judo, simplesmente removeu a parte mais perigosa do Jiu-Jitsu e transformou-o num desporto que é ensinado nas escolas e universidades. O judô afastou-se assim da via marcial do guerreiro.


Alguns puristas de taekwondo dizem o mesmo sobre essa disciplina desde que se tornou olímpica e é isto que muitos tradicionalistas do Karate temem com a possibilidade do Karate acabar por ser aceite nas Olimpíadas (era apenas parte de um desporto de demonstração nas últimas Olimpíadas).


Sim, os desportos de combate podem ser eficazes e inculcar grandes valores


Atenção, não estou a dizer que o desporto de combate é ineficaz ou mau, longe disso. Eles podem promover boas qualidades nos seus praticantes como qualquer outra forma de desporto. Aptidão, disciplina, respeito pelos outros, resiliência, coragem são valores que os praticantes podem desenvolver e apoiar na sua vida diária.


Estes valores são também úteis para aqueles que desejam seguir o caminho marcial. A minha opinião é que aqueles que praticam karatê desportivo pura e exclusivamente com o objectivo de o aplicar na competição tatami estão a iludir-se a si próprios pensando que estão a praticar um caminho marcial. Por outro lado, é possível que depois de ter provado a competição, o praticante se volte para a via marcial.


Alguns de vós podem perguntar-se qual é a diferença entre uma "arte marcial" e uma "maneira marcial".


A diferença entre uma 'arte' marcial e um 'caminho' marcial


Tomemos o exemplo das artes de combate japonesas. Uma arte de combate pode ser classificada em dois sistemas autónomos. O sistema que foi desenvolvido pela classe guerreira é chamado bugei ou bujutsu, que significa "arte marcial". Por exemplo, jiu-jitsu e aiki-jutsu que foram desenvolvidos pelos samurais para se defenderem com as suas próprias mãos no caso de não terem acesso às suas armas.


O segundo sistema de combate chama-se budo. Estas formas de luta foram desenvolvidas desde o primeiro sistema, tais como o judo do jiu-jitsu e o aikido do aiki-jutsu. O praticante do primeiro sistema desenvolve as suas faculdades com o único objectivo de sobreviver em situações reais de combate. O praticante do segundo sistema procura desenvolver as suas capacidades físicas, emocionais, mentais e espirituais a fim de se elevar e transformar o seu coração de chumbo em ouro, como um alquimista. Embora este sistema tenha sido desenvolvido pelo primeiro grupo, as suas ambições vão para além da noção de eficiência de combate. Poder-se-ia simplificar isto dizendo que os praticantes de bujutsu procuram sobreviver, enquanto que os budoka prosseguem uma busca.


Para colocar isto num contexto mais preciso, poder-se-ia dizer que os fundadores que transformaram o primeiro sistema no segundo foram eles próprios guerreiros. Queriam introduzir uma forma de seguir um caminho (fazer) para se transformarem de dentro para fora e criarem uma juventude e sociedade mais fortes. Transformaram as suas artes para torná-las mais acessíveis e menos perigosas para as massas. Diluiram-no intencionalmente para principiantes e evitaram muitos acidentes.


Estes fundadores ensinaram as verdadeiras técnicas letais aos seus seguidores avançados. Enquanto estes primeiros praticantes estavam bem conscientes da diferença entre o primeiro e o segundo sistema, as gerações posteriores esqueceram gradualmente alguns dos seus aspectos internos e praticaram apenas a casca exterior. Pouco a pouco, o que era uma arte guerreira foi substituído por rituais mecânicos e práticas desportivas superficiais.


Abro aqui um parêntese. Sabia que o Karate não é uma arte marcial? No sentido tradicional, uma arte marcial é um sistema que foi desenvolvido para ser utilizado na guerra. Como o jiu-jitsu e o aiki-jitsu que era usado no campo de batalha ou quando o samurai não podia usar a sua espada. O karaté foi inventado por civis (em Okinawa) que o usaram para se defenderem contra os samurais. Porque qualquer arma lhes era proibida por esta última. Quando o karaté foi importado para o Japão, foi acrescentado o sufixo "fazer" para o tornar uma arte marcial. Fechando o parêntesis.


Pode seguir o caminho do Guerreiro mesmo que pratique um desporto de combate?

Agora, a pergunta que deve fazer a si próprio é: pode um seguidor que pratica um desporto de combate também aprender e seguir o caminho marcial, o caminho do guerreiro? Sim, creio que sim, se é essa a sua intenção.


Pessoalmente, acredito que é possível combinar os três. Abordei o Karate desde o início como um budo. Competi em Kyokushin knockdown Karate (contacto total sem protecção) durante 8 anos. Considerei a competição tatami como um campo de batalha que me permitiu praticar os meus conhecimentos de modo a melhorar continuamente, tanto física como mentalmente. O tatami era o meu laboratório. Fui também porteiro numa discoteca durante 5 anos, o que também me permitiu utilizar várias técnicas de autodefesa para controlar um ou vários indivíduos sem os ferir.


Para mim, a competição é importante, mas não deve ser o objectivo final; é apenas um acessório que lhe permite forjar e purificar o seu ser. Em segundo lugar, o seu desporto não deve ser utilizado para se diferenciar dos outros, para mostrar que é melhor que todos os outros, que tem 62 troféus e 26 títulos do campeonato mundial. Deve permanecer humilde como qualquer verdadeiro mestre ou praticante que segue o caminho marcial demonstra diariamente. Finalmente, a sua prática deve ser orientada para o auto-controlo, humildade, compaixão e melhoria do carácter.


Gaetan Sauvé

0 visualização0 comentário

Commenti


bottom of page